segunda-feira, agosto 25, 2008

Jogos Olímpicos em Português - Balanço

Nelson. Nelson Évora. Parabéns! Os campeões não desiludem. Distinguem-se dos demais pela humildade e pelo profissionalismo (e já agora pelo benfiquismo…lol). Mas a verdade é que não obstante o ouro e a prata, o balanço que faço da nossa participação em Pequim é francamente negativo. Alcançamos metade das medalhas exigidas ou exigíveis, somamos menos de metade dos pontos que pretendíamos e no medalheiro final, na 49º posição, ficamos atrás de grandes potências desportivas como a Georgia (27º), Azerbaijão (39º), Usbequistão (40º) ou Letónia (45º). O A Naide Gomes diz que não percebe o que aconteceu e eu confesso que também não! Não percebo por exemplo porque que o Obikwelu termina a carreira após a eliminatória nos 100 metros e antes de correr como previsto os 200 metros? Como isto foi tudo uma grande comédia, com artistas de primeira, espero agora pelo balanço final oficial, em especial dos responsáveis pelo judo, atletismo, natação e tiro, para soltar a gargalhada final. E como estamos em Portugal como estou curioso para assistir ao sacudir de responsabilidades do vencedor da medalha de lata, Vicente Moura, talvez o rosto principal da falta de dimensão e de ambição que nos últimos anos sempre caracterizaram as nossas prestações olímpicas.

4 comentários:

mfc disse...

Esqueceste-te da medalha de ouro do nosso Di Maria?!

L Parreira disse...

Acho que o principal problema é que os Jogos Olímpicos que surgiu como festa do Desporto, se transformou também nesta "luta" entre países. Mas algo que até fazia sentido nos tempos da Guerra Fria, em que cada um dos lados queria exibir a superioridade desportiva como exemplo das vantagens do seu sistema, hoje já não devia fazer sentido. Acho que é importante devolver o aspecto de festa e de consagração dos melhores atletas mundiais, sem fazer deste acontecimento uma luta entre países.
Mas mesmo que quisessemos transformar os Jogos Olímpicos numa simples competição entre países, os teus critérios são engraçados. Destacas alguns dos países que ficaram à frente de Portugal mas esqueces alguns países que não ganharam nenhuma medalha de ouro, como a Suécia, um país com uma tradição desportiva e em que uma grande parte da população pratica desporto, ou até a Grécia, que organizou os anteriores Jogos Olímpicos e que por isso tinha feito um grande investimento no desporto.

verbal disse...

@ mfc
Eu não me esqueci do Di Maria, preferia é que ele fizesse exibições de ouro no nosso campeonato, a começar já por exemplo no próximo jogo contra o Porto. Um abraço

@ parreira
O principal problema dos JO é mesmo a “festa” que os nossos atletas vão para lá fazer, porque talvez um maior sentido de responsabilidade e mais profissionalismo e os 15 M€ chegavam para mais e melhores resultados. Quanto aos “meus” critérios, bem eles não são meus, mas sim os definidos pelo próprio comité olímpico português: 4 medalhas e 60 pontos. Eu nos JO também não distingo a cor das medalhas e até por isso gosto mais das contas feitas “à americana”, ou seja, quem tem mais medalhas ganha e por isso a Suécia (com 5 medalhas) e a Grécia (4 medalhas) estão, nas minhas contas, claramente á nossa frente. Eu já ficava era satisfeito se a nossa prestação envergonhasse por exemplo uma Coreia do Norte!!!!!
Abraço

Anónimo disse...

Para desanuviar, hora do recreio.

http://www.youtube.com/watch?v=nxkl_GWGc5Q